9 frases sobre cinema ditas por diretores de filmes indicados ao Oscar 2013 [Carolina Vilaverde]

9 frases sobre cinema ditas por diretores de filmes indicados ao Oscar 2013 


A cerimônia de entrega dos prêmios do Oscar 2013 está chegando. Enquanto você não descobre quem são os ganhadores deste ano, separamos frases dos diretores dos 9 longas que concorrem na categoria de Melhor Filme. Nessa lista, você conhece melhor a visão de cada um deles sobre o cinema e suas obras

Dá uma olhada:


1. Kathryn Bigelow – “A hora mais escura”



“Se existe alguma resistência específica contra mulheres que fazem filmes, eu simplesmente escolhi ignorar isso como um obstáculo por duas razões: eu não posso mudar meu gênero e me recuso a parar de produzir filmes. É irrelevante quem dirigiu um filme, o importante é que você ou responde a ele ou não”.



2. Steven Spielberg – “Lincoln”





“Quanto mais velho eu fico, mais vejo os filmes como milagres. É difícil agradar o público se você só entregar efeitos especiais, mas é fácil se houver uma boa história. O público também é o crítico mais severo – uma boa história que existe no seu mundo pode não ser a preferida da audiência. Então eu só faço o melhor que eu posso”.


3. Tom Hooper – “Os miseráveis”



“Muito do cinema hoje é basicamente o ato de evitar. É distração, anulação, fantasia irresponsável. “Os Miseráveis”, de alguma forma, não é isso. Ele consegue chegar aos lugares difíceis. É escapismo com uma bússola moral. E eu não estou tão certo de que as pessoas sabem o quão difícil foi fazer o filme alcançar o que ele alcançou”.


4.  Benh Zeitlin – “Indomável sonhadora”



“Pré-produção é como um pequeno animal que você está criando. E é como um tigre, você cria ele até que ele esteja muito maior e mais forte e mais rápido do que você, e você não consegue controlá-lo. Você o deixa solto e então tem que persegui-lo. Por isso, para todo mundo que trabalhou em “Indomável Sonhadora”, [o filme] foi como um evento esportivo, uma caçada. Os filmes são secundários. A perseguição desse tigre vem em primeiro lugar”.


5. David O. Russell – “O lado bom da vida”



“Você tem que transmitir [para a equipe] o quanto aquilo significa para você de uma maneira pessoal, o que faz com que todos se envolvam mais. Pode acontecer de você chegar [ao set] e toda a energia estar dissipada, estar tudo caótico. Aí você quer que todos estejam sentindo o mesmo que você.”

6. Ang Lee – “As aventuras de Pi”



“Nada permanece imóvel. Isso é importante em meus filmes. As pessoas querem acreditar em algo, querem se apoiar em algo para se sentirem seguras e querem confiar umas nas outras. Mas as coisas mudam. Dado um tempo suficiente, nada permanece imóvel. Acho que a busca por segurança e a falta dela também são coisas importantes em meus filmes”.

7. Michael Haneke – “Amor”




“Filmes que são entretenimento dão respostas simples, mas acho que isso é, em última análise, mais cínico, já que nega ao espectador espaço para pensar. É dever da arte fazer perguntas, não fornecer respostas. E se você quer uma resposta mais clara, vou ter que recusar”.

8. Quentin Tarantino – “Django livre”




“Quando as pessoas me perguntam se eu fui para a faculdade de cinema, eu digo “Não, eu fui ao cinema”. Filmes são a minha religião e Deus é meu patrono. Tenho a sorte de estar em uma posição em que não faço filmes para pagar minha piscina. Quando faço um filme, quero que ele seja tudo para mim, como se eu fosse morrer por ele”.

9. Ben Affleck – “Argo”



“Os militares, os filmes e os nossos serviços de inteligência estão inventando coisas. O cinema [inventa em favor] da arte e do entretenimento. Os serviços de inteligência, para Deus sabe o quê. Esse é um dos temas da nossa história (“Argo”): o poder da narrativa, quer seja no teatro político, relacionada às crianças ou tentando tirar pessoas do perigo. Contar histórias é algo incrivelmente poderoso”.


Fontes: IMDB e MovieLine

Carolina  Vilaverde
Artigo publicado na Revista Superinteressante

0 comentários: