Flor do Natal [Revista Biografia]

Flor do Natal



“Uma lenda mexicana conta que uma menina, de nome Pepita, não sabia o que oferecer ao Menino Jesus por ocasião da missa de Natal. 
Não podendo adquirir uma oferta digna da sua vontade, expõe o seu problema ao seu primo, Pedro, que a acompanhava a caminho da igreja. 
Este consola-a e diz-lhe que é o amor com que se dá uma oferta que valoriza a mesma, especialmente aos olhos de Deus. Pepita deixa-se convencer e vai recolhendo plantas vulgares das margens do caminho por onde passa. Quando chega à igreja, dá-se conta da pobreza da sua oferta e chora de tristeza. Do chão molhado pelas lágrimas da criança irrompem as flores-do-natal.”



O Bico de Papagaio é originário da América do Norte, México, apresenta porte arbustivo podendo atingir até 3 metros de altura. As variedades vermelha e branca produzem flores no inverno, já a Euphorbia pulcherrima ‘Rosea’ produz flores quase o ano inteiro. Propagam-se por meio da estaquia de galhos – quer dizer, basta colocar um galho no solo para originar uma nova planta – e precisam de sol pleno para se desenvolver bem, em clima quente e úmido, de preferência. São plantas que necessitam de regas constantes, mas sem encharcamentos, e um solo arenoso com boa drenagem.

Uma curiosidade a seu respeito é que o que parecem ser as pétalas das flores, na verdade, são brácteas, ou seja, são folhas modificadas. Isso ocorre porque as verdadeiras flores da planta são pequeninas e quase insignificantes, não apresentando cores  e formas atraentes para os polinizadores. Assim, as brácteas, coloridas e exóticas cumprem a função de atrair os insetos e aves responsáveis pela polinização da planta.


A seiva leitosa da planta, constituída por um tipo de látex irritante, em contacto com a pele e mucosas provoca inflamações, dor e comichão, podendo causar também irritação nos olhos, lacrimejamento, inchaço das pálpebras e dificuldades na visão. A sua ingestão pode causar náuseas, vómitos e diarréia.

A poinsétia, também designada pelos nomes de bico-de-papagaio, flor-de-são-joão, rabo-de-arara, cardeal, flor-do-natal, ou estrela-do-natal, é uma planta originária do México. O seu nome científico é Euphorbia pulcherrima, que significa "a mais bela (pulcherrima) das eufórbias".


O nome poinsétia (poinsettia, em inglês) deriva do nome de Joel Roberts Poinsett, que foi o primeiro embaixador dos Estados Unidos da América no México. Impressionado pelas cores das brácteas, Poinsett enviou alguns exemplares em para a estufa de sua casa, onde se desenvolveram com facilidade. Poinsett ofereceu muitas destas plantas a amigos que também se interessavam pelo cultivo de flores, como John Bartram que, por sua vez, doou alguns pés da planta para Robert Buist, dono de um viveiro. Este último, desconhecendo o nome científico Euphorbia pulcherrima dado pelo taxonomista alemão Klotzsch em 1833, decidiu vendê-la com o nome Euphorbia poinsettia.


Esta planta já passou por um intenso melhoramento genético, que lhe conferiu muitos cultivares. Sua folhagem pode variar, na textura, no porte e no tamanho. As flores, que na verdade são brácteas (folhas modificadas), podem ser de coloração vermelha, rosa, amarela ou branca, e variam quanto à forma e textura de acordo com o cultivar.

De utilização versátil, a poinsétia está sendo muito cultivada em vasos para a decoração de natal, principalmente a de coloração vermelha. 

Ela ainda presta-se como arbusto isolado no jardim ou em conjunto. Tolerante à poda, ela ainda fica com o aspecto mais denso se submetida periodicamente à este manejo.

Devem ser cultivados a pleno sol, em solo fértil, drenável e enriquecido com matéria orgânica, com regas regulares. Não tolerante à geadas, multiplica-se por estaquia.Os produtores conseguem produzir vasos com pequenas estacas para colocarem no mercado para o Natal, diminuindo a luminosidade do viveiro.



Fonte:  

0 comentários: