Entrevista com escritor Uili Bergamin por Paula Cajaty- Rio de Janeiro

Uili Bergamin-Nasci em Bento Gonçalves e ainda criança mudei-me para Cotiporã. Já adulto, estabeleci-me em Caxias do Sul, onde venci inúmeros prêmios literários, nacionais e internacionais. Sou autor de seis livros: "O Sino do Campanário" (contos), "Cela de Papel" (novela), "Do Útero do Mundo" (poesias), "A Ilha Mágica" (juvenil), "Contos de Amores Vãos" (contos) e "Tetraedro" (crônicas) em parceria com mais três autores caxienses. Também escrevo para a Revista Acontece Sul, onde indico bons livros e colaboro para jornais da região.

"O difícil não é a gente ter boas idéias. Nem falar delas. Difícil mesmo é encontrar alguém, especial, que as ouça. No entanto, pior do que não ter a quem contar o que a gente sente, é contar o que a gente sente a quem não sente o que a gente conta. É dolorido. É o diabo." Trecho do livro "Cela de Papel".
 
Entrevista à Paula Cajaty - Rio de Janeiro

Uili Bergamin é um dos melhores exemplos da força literária de Caxias do Sul. Além de se destacar ganhando inúmeras premiações literárias na Serra Gaúcha, ele escreve para jornais e revistas, participa dos eventos culturais das charmosas cidades sulistas, escreve livros que viram best-sellers nas escolas caxienses e ainda tem fôlego para bancar um blog onde ele conta suas andanças e informa o que há de novo Brasil afora. Longe dos livros, Uili ainda mostra que é excelente anfitrião, conhece o Sul de olhos fechados e faz questão de convidar seus amigos e escritores a provarem (e lerem) o que Caxias tem de melhor.

Paula: Na biografia que consta em seu blog, você destaca, em primeiro lugar, logo após sua mudança para Caxias do Sul, o fato de ter vencido diversos prêmios nacionais e internacionais. Você acha que, para um autor estreante, a disputa em concursos e premiações traz mais experiência literária, ou apenas mais notoriedade?

Uili: No meu caso, posso dizer que trouxe as duas coisas. O fato de escrever para concursos obriga a duas situações: primeiro, achar um assunto original, depois escrevê-lo da melhor forma possível. Isso acaba trazendo experiência e os prêmios indicam que você está no caminho certo. Claro que não podemos levar isso à risca. Todo concurso é relativo. Mas no meu caso, os prêmios acabaram me tornado conhecido antes mesmo de ter um livro publicado. Já havia uma expectativa por parte do público e acredito que boa parte da procura por meu primeiro título se deveu a isso.

Paula: Sua obra de estreia é uma coletânea de contos 'O sino do campanário', que teve excelente repercussão de mídia e público, alcançando inclusive as salas de aula (e de cinema) de toda a Serra Gaúcha. Há, no entanto, autores e editores que desdenham da importância dos livros de contos. O que o motivou a trilhar esse caminho e publicar contos em sua estreia?

Uili: Foi puro acaso. Na verdade comecei escrevendo poesias e sempre achei que meu primeiro livro seria em versos. O que aconteceu foi que participei de uma espécie de concurso, cuja premiação era a publicação da obra. Inscrevi “O Sino do Campanário”, coletânea de contos, e também uma coletânea de poemas. Ganhei com os contos. Quanto ao desdém de alguns com relação ao conto, isso é verdade. Todos vivem me cobrando um romance, embora um de meus contos tenha sido adaptado para o cinema e muitos deles sejam estudados em escolas. Adoro a narrativa curta, mas há um preconceito sobre ela, infelizmente.

Paula: Após se aventurar por um texto mais complexo, a novela 'Cela de papel', você surpreendeu aos seus leitores publicando um livro de poesias. Afinal, em qual estilo o escritor Uili Bergamin se sente mais à vontade? Na prosa curta, no livro de maior fôlego, ou na poesia?

Uili: Para ser sincero, ainda estou tentando descobrir isso. A poesia me encanta pela concisão, pelo ritmo, pela sugestividade. O conto é uma pancada seca, arrebatadora. A narrativa longa é a trama, a resistência, um teste para qualquer escritor. Neste momento de minha vida posso dizer que é o conto o que mais me fascina, até porque meu livro “Contos de Amores Vãos”, coletânea de vinte narrativas curtas, teve ótima aceitação. É meu melhor livro, até o momento. Sou apaixonado por ele.

Paula: A par das suas atividades literárias, você também abraçou a comunicação: escreveu para jornais, apresentou programas de TV e faz resenhas literárias para a Revista Acontece Sul. Conte como é sua pauta nesses meios de comunicação: é mais voltada para a literatura e sua difusão, divulgando autores e livros, ou também aborda as novidades do mercado editorial?

Uili: Na verdade não tenho formação jornalística e em todos esses casos aceitei convites para colaborar. Não me preocupo muito com as novidades. Minha preocupação maior é com a qualidade literária do que vou resenhar, do escritor que vou entrevistar. Meu compromisso é com a literatura e sua difusão. Não importa se é lançamento ou se foi publicado.



Paula Cajaty. Carioca, nascida em 1975, iniciou a carreira no Direito, mas encontrou na literatura o caminho para alcançar os próprios sonhos e prazeres. Em 2008, lançou o primeiro livro, Afrodite in verso, que tem como principais componentes a sensualidade, o romantismo e a poesia. O livro ganhou orelha do poeta Fabrício Carpinejar, e elogios de diversos escritores já consagrados por crítica e público. Outras informações em seu site (clique aqui).



1 comentários:

Jussára C Godinho disse...

Parabéns, Uili, parabéns Paula, pela excelente entrevista e pela divulgação da literatura da região!

Jussára