Silas Correia Leite e o mundo das letras [Isabel Furini]

Silas Correia Leite e o mundo das letras
 
Nosso entrevistado é o poeta, contista e romancista Silas Correa Leite. Ele é autor de alguns livros como Trilhas e Iluminuras, Poemas, Editora Grafite/1998; Porta-Lapsos”, Poemas, Editora All-Print/2005; Os Picaretas do Brasil Real, Poema Social, Série Cantigas de Escárnio e Maldizer, Editora Thesaurus/2006; Campo de Trigo Com Corvos, Contos, Editora Design/2008, obra escolhida para finalista do Prêmio Telecom/Portugal; Assim escrevem os Itarareenses; Primeira Antologia de Prosa de Itararé, Editora All-Print, SP (Idealizador, Editor e Organizador); O Rinoceronte de Clarice, ebook de sucesso, primeiro Livro Interativo da Rede Mundial de Computadores, único no gênero e de vanguarda, com contos fantásticos, cada conto com três finais, um final feliz, um final de tragédia e um terceiro final politicamente incorreto.

Quando você começou a escrever, Silas?

Comecei a escrevinhar e bolar coisas desde o curso primário, os 8 anos, e escrevia também nos álbuns de minhas irmãs mais velhas. Com 16 anos colaborava como cronista no Jornal O Guarani, de Itararé-SP. Nascido em Monte Alegre-Pr (hoje Telêmaco Borba), meu pai um dos primeiros cem Itarareenses, maestro, músico, compositor e com programa de rádio, dele herdei a loucura da arte como libertação, a sensibilidade para pensar e sentir, e a partir disso criar em verso e prosa, barulhanças e contentezas. Hoje, brinco de dizer que, escrevo porque tenho uma coisa na cabeça, o cérebro!

Você escreve gêneros literários diferentes. Mas, qual é o gênero que mais paixão desperta em você?

Na verdade mal-e-mal sou só um poeta e olhe lá. Como saquei que poesia não vende – e poesia deveria ser dado de troco na compra de uma maria-mole queimada, de troco de um dolé de groselha preta, ser “de grátis” – comecei a bolar microcontos, e acabei sendo premiado mais como contista do que como poeta. Hoje também faço resenhas, críticas, ensaios, artigos, letras de rocks e blues, etc. E crio meus twittercontos, pensadilhos (pensamentos trocadilhos) minhas pensagens (pensamentos mensagens), e links de “Silas e suas siladas”(humor), tipo Pimenta no Orkut dos Outros é YouTube.

Quais são seus livros preferidos?

Ah, dos milhares de livros que li a vida inteira – e sou de ler quatro ou cinco livros ao mesmo tempo – os melhores vão de Tolstoi a Dostoievski, de Italo Calvino a Bertold Brecht, de Walt Wilthman a Pablo Neruda, do Brasil, Érico Veríssimo e Graciliano, Guimarães e Machado de Assis, Drummond a Clarice Lispector, de Hilda Hist a Manuel Bandeira, dos mais recentes Umberto Eco, Moacyr Scliar, Dalton Trevisan, Milton Hatoum, Nicodemos Sena, entre outros.

Qual é o escritor brasileiro que na sua opinião merece o Prêmio Nobel de Literatura?

Nicodemos Sena. Ele é autor de  A espera do nunca mais (Ed. Cejup, Belém) e A noite é dos pássaros (Cejup, 2003).

Fale dos projetos literários para o segundo semestre.

Pretendo lançar um livro de haikais brasileirinhos, um de poemas infanto-juvenis, e um sobre a prática educacional, entre outros planos e projetos. Tenho ainda um livro de microcontos e um romance sendo avaliado por uma editora. Contato: poesilas@terra.com.br


Isabel Furini é escritora e poeta. Seu poema Quixotesco fará parte da exposição de artes plásticas, poesia e arte digital, cuja abertura será em 14 de agosto, 19 horas, no Instituto Cervantes de Curitiba, rua Ubaldino do Amaral, 927, Alto da XV. A curadoria é de Carlos Zemek. O professor e ator de teatro e TV Gerson Delliano realizará a leitura dos poemas.



1 comentários:

Shirley Maria disse...

Parabéns a entrevistadora Isabel Furini e ao escritor entrevistado, contista, romancista e poeta, Silas Correia Leite. Gostei de ler. Abraços.