“Uma coisa que jamais vamos conseguir ensinar a alguém é nos amar.” [Isi Golfetto]

“Uma coisa que jamais vamos conseguir ensinar a alguém é nos amar.”

Ao ler a frase-tema do nosso post lembrei-me das palavras da pequena Alana: “Que tristeza, né...”  Clique no link. É um vídeo de menos de 2 minutos, de um dos nossos últimos posts. Apesar de o contexto ser outro, ela retrata a perda, o "virar nada" com uma profundidade através da emoção da sua voz e o desapontamento na expressão do seu rosto. Impressionante!

Qualquer semelhança é mera coincidência! Não há o que possamos fazer para que uma pessoa possa nos amar.

Que tristeza, né... 


Quem não sofreu a perda de um grande amor? Aquela paixão intensa que você viveu e fez você se sentir a pessoa mais feliz desse mundo, aquele amor mágico que parecia ter saído de um conto de fadas e até fez você acreditar que poderia existir o “para sempre”. Mas, de repente você acorda e tudo "virou nada"... “Que tristeza, né...” 

De um sonho encantado a uma dura realidade (para não dizer um pesadelo!). Você começa a se perguntar: onde foi que eu errei, o que eu fiz ou deixei de fazer... e quantos questionamentos se seguem... Você perde o chão e a dor é intolerável, Não é apenas uma dor emocional. É também uma dor física e não há com o que compará-la...“Que tristeza, né...” 

E sabe o que mais falta nessas horas? Palavras que possam consolar... Não há respostas e nem fórmulas mágicas que possam ajudar. Cada pessoa tem o seu próprio tempo para se curar ou pelo menos para começar a amenizar a sua dor. Não é fácil se recuperar dos golpes duros da vida, dos traumas pelos quais passamos, mas a vida não acaba aí. 

Como se levantar se você está sem forças? Como querer voltar a viver se está sem coragem? Como parar de chorar se a saudade é imensa? Como, como, como??? 

Segundo Eduardo Siqueira Filho: “Viver na sombra por medo de se queimar no sol, esfria sua alma e te priva do calor que pode reanimar seu coração.”
Como, então, reanimar o coração? Não há respostas fáceis para perguntas difíceis e nem fórmulas mágicas. 

Viver, na realidade, é uma questão de se construir, de aprender, de se refazer.
Certa vez eu li: faça primeiro o que é necessário, depois o que é possível, então terá forças para fazer o que é impossível. Só que eu não acredito na palavra impossível. Mesmo porque se eu traduzir a palavra para o inglês: IMPOSSIBLE e colocar um apóstrofo entre as duas primeiras palavras e separá-las de POSSIBLE ficará :  I´M POSSIBLE! Numa tradução mais simples: EU POSSO. Como você pode notar todo o segredo está em o quanto confiamos e acreditamos em nós mesmos. 

Segundo Stephen Covey nós não temos controle sob 10% do que nos acontece, os 90% é a forma como reagimos. Que tal adquirirmos três princípios muito simples para tornar nossa vida mais tranquila e nossa resistência diante dos obstáculos menos traumáticos? 

1. Ninguém é a razão da sua felicidade. O primeiro passo é se construir. As pessoas podem contribuir para trazer felicidade à sua vida, mas é você a razão da sua própria felicidade. Você tem que ser feliz para perceber que o outro o faz feliz. Você tem que se amar para poder receber o amor do outro e ter o poder de retribuir. Você tem que se perdoar para perdoar o outro. Você tem que ter paz consigo mesmo, para viver em paz e proporcionar paz ao outro. 

2. Aprender a lição. Se algo deu errado que tal aprender a lição. Dependendo do temperamento algumas pessoas precisam de um tempo para ficar quieta e se isolar para refletir sobre a situação. Mas não deixe que esse tempo dure muito. Não acredite que o tempo cure alguma coisa! Se o tempo curasse farmácia só venderia relógio.

3. Fazer as pazes com o passado, viver o presente e criar projetos futuros. Você tem que refazer sua vida. Tudo o que nos acontece na vida é para nos ensinar. Coragem para perdoar. Essa é uma das lições que vai nos mover para a frente. Autoimagem. Acreditar na sua capacidade. Muitas vezes precisamos questionar as crenças que um dia alguém nos ensinou e as aceitamos como verdadeiras. Valorização. Recomeçar e acreditar nas suas qualidades desenvolvendo ou criando seus projetos.

Com esses princípios você não estará focando no negativo. Não precisará ficar na expectativa de ensinar alguém a amá-lo. Você estará realizado e será amado e admirado pelo que é, por suas virtudes, sua valorização e autoconfiança: Que alegria, né! Lembre-se: I´M POSSIBLE! 

Agradeço a sua companhia.

Felicidades em sua vida.

Um grande abraço 

Isi

Isi Golfetto, mas pode me chamar de Isi. 
"Não há idade para sonhar, mas para realizar um sonho é preciso acordar e agir." 
Desde muito pequena, eu já sabia que no meu sangue corria o desejo de ensinar.
Ensinar me encantava. Sempre que alguém pronuncia uma palavra errada, Isi estava lá para explicar e ajudar a falar da maneira correta.
Blog:Bate-papo com Estilo

0 comentários: