Eu não sei sentir saudade [Frederico Elboni]

Eu não sei sentir saudade


por Frederico Elboni 
Artigo publicado no site Entenda os Homens 

Eu não queria sentir a saudade que sinto. Nem ter medo da frequência em que ela me visita antes de deitar. Será que é tão difícil tornar o beijo contínuo e a saudade passageira? Será que entre o hiato do amor e da saudade, não há como existir somente a alegria do vivido?

Mesmo andando de mãos dadas com a euforia de viver, algumas vezes, diante de certos sentimentos, me faltam palavras. Me faltam, pois tenho medo dos grandes sentimentos. Medo de senti-los, me acostumar com eles e, como quando o sol se cansa de iluminar a todos, ele se pôr. A verdade é que meu coração está preparado para amar, mas não para sentir saudade. Para beijar, mas não para deixar de ser beijado. Para ver as nuvens, mas não deixa-las me tirar a visão das estrelas.

Não há como negar que pensando nela corro contra o tempo. Busco sensações do passado, as encaixo na minha realidade atual e, como se fosse possível e saudável, crio cenários de viver isso novamente. É, definitivamente, eu não sei sentir saudade.

Sendo há um bom tempo turista dos amores alheios, faço caridade, guardo os meus sentimentos no olhar e aceno com os lábios, como quem diz que onde quer que a gente vá, que levemos o nosso coração. E eu sempre levo, pois, a gente só abre o coração dos outros quando abrimos os nossos. Sim, os nossos.

Então, mesmo com a saudade que insiste ser vizinha, se eu pudesse, continuaria tendo dois corações. Um para amar, e outro também.

Frederico Elboni 
Pode me chamar de Fred. Publicitário, paulistano e ranzinza por opção. Apaixonado pelo comportamento humano e suas facetas. Autor roteirista do Amor & Sexo da Globo. Acreditando na teoria que os sorrisos podem curar qualquer coisa escrevi o livro “Um sorriso ou dois”.

1 comentários:

Eva Gomes de Oliveira disse...

O amor é mesmo uma doce e misteriosa flor, com seu encanto, seu aroma estonteante... inspirando, inspirando... infinitamente. Amei!